CINCO COISAS QUE A FOTOGRAFIA DE PARTO NÃO É

16 de novembro de 2015

Pessoal, esse é um post da fotógrafa de partos sul-africana Alda Smith. Acompanho seu trabalho há algum tempo e achei esse conteúdo absolutamente lindo! Me identifiquei completamente.

Como está em inglês, resolvi traduzir para vocês pois vale a pena a leitura.

Para ver o artigo original: http://carmienkiddies.co.za/five-things-birth-photography-is-not/

Site da Alda Smith: http://lovealda.com/

CINCO COISAS QUE A FOTOGRAFIA DE PARTO NÃO É

Este post deveria ser uma introdução à fotografia de parto, mas em vez disso eu pensei em compartilhar com vocês o que ela não é. Alerta: Eu sou uma fotógrafa de parto profissional registrada na Associação Sul-Americana de Fotógrafos de Parto. Este artigo foi escrito nesse contexto.

 Ok, aqui vai:

 Não explícito.

Fotografia Nascimento trata de momentos de conexão e amor no nascimento. É sobre a expressão facial de um pai quando vê seu bebê pela primeira vez ou lágrimas de uma mãe quando ela ouve o primeiro choro. Deve contar a história do nascimento de seu bebê com integridade e ternura. Algumas pessoas são confortáveis ​​e abertas com alguma nudez em suas histórias de parto. Nesse caso, o fotógrafo pode ser menos conservador na abordagem. 

Mas mesmo assim um código de estrita privacidade de publicação ainda seria aplicável se o fotógrafo é profissional e fez o Juramento SABPA de Conduta.

 storyboard1613

Não intrusiva.

Privacidade (ou a falta da mesma) é o argumento número um citado por pessoas que não querem fotógrafos no parto, como profissionais de saúde e até mesmo os pais. Isso ocorre até eles verem um profissional trabalhando e percebem que não só não é intrusiva, como o fotógrafo pode ajudar a concentrar a energia de todos no nascimento, às vezes mais que o obstetra (sem nenhum desrespeito ao papel do obstetra, assim como uma parteira ou uma doula, eles são uma constante em um ambiente em constante mudança. Em um nível prático um fotógrafo profissional de parto iria trabalhar com uso mínimo de flash (se houver) e se o flash for utilizado ele irá fazê-lo na forma de uma luz refletida e não de flash pop-up. O juramento SABPA de Conduta aborda muitas outras questões de privacidade e preocupações relacionadas com a privacidade de pais e profissionais de saúde. Fotógrafos registrados são informados sobre e respeitar essas exigências de privacidade.

storyboard1669

 Não posada.

Este ponto se relaciona com o ponto acima. Eu acredito fielmente na abordagem “mosca na parede” quando se trata de fotografia de nascimento e a maioria dos fotógrafos de parto têm uma abordagem e estilo fotojornalísticos. Isto dá a fotografia de parto um tom de storytelling. Isso também significa que o fotógrafo realmente capta momentos e nunca dirige de forma alguma. Direção de fotografia de parto, como dizer a alguém para onde olhar ou pedir uma enfermeira para mover sua mão para que você possa ter uma melhor visão do bebê é um tabu na minha humilde opinião. Não só o trabalho do fotógrafo perde em autenticidade, como também os outros profissionais de nascimento não irião tolerar esse tipo de comportamento.

 storyboard1668

Não é barato.

Ou pelo menos não deveria ser. Como a fotografia de casamento, a fotografia de parto é um serviço de luxo. Não é “pão com manteiga” ou cotidiano. É altamente especializada e requer uma quantidade imensa de dedicação, habilidade, compaixão (mais ainda do que a fotografia de casamento) e uma compreensão do espaço de nascimento. Esse tipo de “pacote” é inestimável e tem que vir a um preço que possa torná-lo sustentável. Por exemplo: eu só assumo três clientes de nascimento por mês para me certificar que dar a cada um a atenção e o amor que eles merecem e para garantir que eles recebam serviço infalível de plantão. Minha estrutura de preços tem que me permitir fazer isso. Se isso não acontecer, isso significa que eu vou ter que assumir mais nascimentos para torná-lo sustentável e perderei meu toque pessoal. Cansados, profissionais não podem servir os seus clientes corretamente e como isso seria justo? Da mesma forma acho que as doulas são altamente desvalorizas, mas isso é uma discussão para uma próxima vez. Uma sessão de parto também não se limita a trabalhar na hora do parto, mas também nas horas e horas de pós-produção, que começa após o que é, muitas vezes, 12 horas depois.

 storyboard1670

Não é uma lista pronta.

Eu tenho que sorrir quando me perguntaram se eu poderia, talvez, “apenas capturar a primeira respiração” para economizar custos. Nascimento não conhece o tempo. É imprevisível. É uma viagem. Uma história. Não é uma lista pronta. Isso levaria a intromissão. Isso significaria dirigir a cena e um completo desrespeito com o parto. Você pode imaginar um fotógrafo de parto entrando apenas na hora momento do nascimento propriamente dito? Isso não perturbaria o espaço do parto? Por isso, nunca faço promessas. Eu posso tentar. Posso apontar, mas eu sempre desencorajo os meus clientes de ter a “lista perfeita em sua mente”. Meu conselho é sempre para ver como a viagem se desenrola e capturá-la com verdade e integridade.

 storyboard1567

Eu gostaria de terminar dizendo o que a fotografia de nascimento é:

Eu realmente acredito que essas primeiras memórias e histórias de amor e respeito são a herança mais preciosa que podemos dar aos nossos filhos. Eu também acredito que um fotógrafo de parto deve entender que a prioridade é o nascimento do bebê e o vivenciamento desse momento pela mãe (e seu parceiro de parto) de uma forma que mostra a empatia, compreensão e respeito, tanto para a saúde, mas também aspectos humanos de nascimento com um foco particular no que isso significa para os pais. Eu resumo fotografia de parto como segue:

 “Fotografia de parto deve, em minha opinião, não ser fotos perfeitamente posadas. Em vez disso, ele deve fornecer pais, filhos e família com laços eternos para as emoções, sentimentos e ambiente físico, no momento de uma nova força de vida entra na sua realidade – uma janela para as almas amorosas de uma mãe, um pai, um irmão, uma irmã ou um avô à primeira vista. Como eles olharam. O que eles usavam. É sobre o fornecimento de famílias com vida, memórias insubstituíveis dos momentos de amor, conexão e estreias em torno do nascimento de um bebê.”